Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

Setembro Amarelo: por que precisamos falar sobre suicídio?

Idosos e grupos considerados minoritários são os mais atingidos, principalmente durante a pandemia do novo coronavírus

Neste mês,é lembrada a data mundial de prevenção ao suicídio, campanha mais conhecida como “Setembro Amarelo”. A ideia é conscientizar as pessoas sobre o assunto e entender as questões que geram sofrimento e doenças mentais.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), uma pessoa comete suicídio a cada quatro segundos no mundo. Isso corresponde a 800 mil mortes por ano.

O Brasil está em 8º lugar entre os países do mundo com mais casos de suicídios. Para a OMS, 90% deles poderiam ter sido evitados.

Pandemia do coronavírus

A campanha deste ano leva em consideração também a pandemia do novo coronavírus. Segundo pesquisa realizada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), tanto a quarentena quanto o medo de uma nova enfermidade impactam diretamente na saúde mental das pessoas. Então como falar sobre prevenção do suicídio agora?

Essa foi uma das preocupações do CVV (Centro de Valorização da Vida) para lançar a campanha “setembro amarelo” deste ano. A associação civil sem fins lucrativos, reconhecida como de Utilidade Pública Federal, decidiu destacar a importância do autocuidado e da empatia.

A campanha foi reforçada no vídeo “Pessoas precisam de pessoas”, publicado no canal do CVV no YouTube na última na sexta-feira 28. Além disso, de abril até junho, a CVV aumentou sua equipe em 10%.

 

Como perceber comportamentos suicidas?

Por muitos anos, falar sobre suicídio foi um tabu. Mas a abordagem do problema está mudando. “O silêncio é o que mata”, afirma a psiquiatra e psicoterapeuta Stella Mara Suman Piasentim. “É importante reconhecer quando a pessoa precisa de ajuda”.

Ela diz que o suicídio surge como uma (falsa) solução asfixiante de viver. Mas antes disso, explica, existe a “ideia suicida”. E este ponto é o que mais requer atenção.

“Cada um tem um jeito de sofrer, pois é difícil prever quem vai tentar suicídio, como ou em que momento, mas existem algumas recorrências: 90% sofriam de problemas mentais; 50% já haviam tentado tirar a vida em algum momento; muitos tinham parentes em primeiro grau que se suicidaram. São pontos relevantes, mas basta estar vivo para ser um fator de risco”, diz Piasentim.

Devemos ficar alertas a alguns sinais: isolamento, infelicidade e esgotamento

Como ajudar? “Precisamos escutar, deixar a pessoa falar com calma, sem julgar. Se interessar pelo impacto que está acontecendo com essa pessoa e ter empatia. Isso vai fazer ela gastar os sentimentos. Depois disso, levá-la até um profissional”, explica Piasentim.

As pessoas também devem evitar algumas abordagens. “Não fale que a vida vale a pena, que a vida é bonita, que há sentido em tudo ou que a pessoa não tem fé. Isso não vai ajudar. Não estimule a se distrair ou ocupar a cabeça. Isso acaba inviabilizando o sofrimento”, diz ela. “Cada um sofre de um jeito, então é a própria pessoa que tem que reconhecer o que ela está falando e que tem que buscar suas próprias vias para resolver. Apenas escute”.

Idosos são os mais atingidos

Os últimos dados divulgados pelo Ministério da Saúde, referentes a 2017, indicam que os idosos com mais de 70 anos lideram o ranking de suicídio no País – são quase 9 casos a cada 100 mil habitantes. O abandono ao fim da vida é uma das principais causas.

O geriatra do Hospital das Clínicas, Milton Crenitte, explica que, além do abandono, o fato dessas pessoas viverem em uma sociedade capitalista pode aumentar as chances do suicídio: “Vivemos em uma sociedade que valoriza as pessoas baseada no que ela produz de capital. A partir do momento que vem a aposentadoria, essa pessoa perde o senso de utilidade”.

Perda de senso de utilidade, somada a perdas de familiares/amigos e doenças, pode levar o idoso a um quadro depressivo

O geriatra diz que é mais difícil detectar sinais de comportamento suicida em idosos porque a mudança de comportamento é tida pelas pessoas como “natural”. “Se não está querendo comer, se recusa remédios, tem sono e humor alterados, isso pode indicar uma ideia suicida”, alerta o médico.

E na pandemia esse quadro só tende a piorar. Os idosos, por serem grupo de risco para a Covid-19, estão lidando com o constante medo da morte. “Eles estão perdendo a independência, autonomia e a participação social, tudo que a OMS indica como um envelhecimento ativo”, diz Crenitte. “O governo só piorou este cenário. Esse discurso de ‘só vai morrer velho’ causou um impacto muito grande nos idosos, que se sentem vulneráveis”.

Como podemos ajudá-los neste momento? Segundo o geriatra, ouvindo. “Não podemos tratá-los como problemas, e sim como parte da solução, inclusive como eles vão exercer o isolamento social. Não podemos impor ordens. Nunca silenciar e menosprezar o sofrimento de um idoso”, completa.

O suicídio em grupos minoritários

Além dos idosos, os grupos que são considerados pela sociedade como “minoritários” também acabam se tornando mais vulneráveis às doenças mentais e ao suicídio. LGBTs, negros, mulheres, indígenas, pessoas com deficiências, entre outros, acabam sofrendo estresse crônico – uma reação a preconceito, estigmas e violências.

É o que explica o psiquiatra do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas de São Paulo, Bruno Branquinho: “Cada grupo tem suas particularidades, mas, quando pensamos de forma geral, são os que mais são estigmatizados pela sociedade, e isso reflete na saúde mental”.

Grupos considerados pela sociedade como ‘minoritários’ acabam se tornando mais vulneráveis às doenças mentais e ao suicídio

Branquinho atende na ONG Casa 1, que acolhe LGBTs expulsos de suas casas. Ele diz que esse estresse crônico piorou durante a pandemia do coronavírus. Mas, segundo ele, há estudos mostrando que o apoio do próprio grupo pode ser protetivo para a saúde mental de uma pessoa e diminuir o risco de suicídio.

“O papel da política e dos governantes também deve ser levado em conta. Atualmente, no Brasil, o que vemos é um governo que não só não cria ou se preocupa com políticas públicas visando o bem-estar e a segurança dos grupos minoritários, mas também reproduz um discurso violento e normatizador”, afirma.

Onde procurar ajuda?
Os três profissionais entrevistados por CartaCapital dizem que escutar é o principal método de ajuda para uma pessoa que passa por um pensamento suicida. Contudo, o auxílio profissional nunca pode ser deixado de lado.

O Centro de Valorização da Vida (CVV) oferece um serviço online de escuta, via chat ou telefone, 24 horas por dia. Basta ligar 188 ou acessar o site: www.cvv.org.br

Há opções mais acessíveis ou gratuitas de tratamentos:

Psicanálise na Praça Roosevelt, de São Paulo
Atendimentos aos sábados, das 11h às 14h

Psicanálise na Rua, de Brasília
Contato: facebook.com/psinarua
Para moradores do DF e entorno; atendimentos às sextas, das 16h30 às 18h30, e aos sábados, 10h às 12h

Psicanálise na Praça, de Porto Alegre
Atendimentos aos sábados, das 11h às 14h

Psicanálise de Rua, de São Carlos (SP)
Atendimentos aos sábados, das 11h às 14h, para pessoas da região de São Carlos

Grupo bate-papo, de Brasília
Atendimentos: terças, às 13h; quartas, às 10h e às 14h; sextas, às 10h

Varandas Terapêuticas – Instituto Gerar
Contato: tel. (11) 3032-6905 e (11) 97338-3974
Atendimentos: mediante agendamento
Pagamento voluntário

EscutAto – Instituto de Psicologia da USP (IPUSP)
Atendimentos: mediante agendamento

Muito obrigado por ter chegado até aqui…

O aplicativo da On está disponível para download,baixe em seu celular pra ouvir 24h por dia

a melhor programação gospel,aqui ninguém se sente sozinho,nós te fazemos companhia:

>> Android: CLIQUE AQUI PARA BAIXAR AGORA

 

fonte: Carta Capital

Deixe seu comentário:

Peça sua música

Pedido de Música

Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

Clique aqui e faça o seu Pedido de Música

Mural de Recados

Edson Macedo
segunda-feira, jun 29. 2020 8:22 AM
Bom dia
Milton dos Santos Mariano
domingo, ago 2. 2020 12:02 PM
Bom dia povo lindo de CRISTO, aqui è o cantor Milton Mariano do Rio de Janeiro, eu quero desejar um excelente domingo pra todos, um abraço fiquem com DEUS.
Luciana Teixeira
sábado, ago 22. 2020 11:53 AM
Adorando ouvir vcs
Lara zangari Lopes
sábado, ago 29. 2020 11:05 AM
Em Belém
Lara zangari Lopes
sábado, ago 29. 2020 11:10 AM
Bom dia ☺️

1 · 2 · 3 · 4 · 5
Deixe seu recado

Para deixar seu recado preencha os campos abaixo:

Para:  
E-mail não será publicado
(mas é usado para o avatar)

Menu

Curta no social

Texto

ON WEB RÁDIO
 
A ON é uma rádio cristã, cuja proposta é edificar a vida de seus ouvintes através de louvores selecionados por estilo. Além dos sucessos da música gospel, você conta com uma programação super variada com momentos de reflexão bíblica nos intervalos das programações, pod casts, programas de humor, entretenimento e muito mais!

Curta no Facebook